As cores têm um papel importante na percepção do universo que nos rodeia. Elas jogam um papel de destaque na nossa vida emocional e por isso ficam impregnadas às marcas. Vamos fazer um exercício? A cada marca lida, qual cor lhe veio à cabeça: McDonald’s, Facebook, Youtube, Itaú…Bear?! As marcas são relacionadas à cores por 80% das pessoas.

Mas engano o seu se acha que enxergamos com os olhos, vemos mesmo é com o cérebro. Mais de 60% do nosso córtex está envolvido com o sistema visual, ou seja, o cérebro é capaz de imaginar cores conhecidas de um objeto mal ele aparece no campo visual.

 

Cores e sabores
Essa relação é de extrema importância para a indústria de alimentos. Uma pesquisa realizada pelo Crossmodal Research Laboratory, da Universidade de Oxford, confirma que as cores preparam o cérebro para o gosto que virá. Dessa forma, o estudo conclui que o gosto doce está mais relacionado à cor vermelha, e um pouco com as cores
laranja, branca e amarela. O azedo está relacionado com o amarelo e também um pouco ao verde. O salgado é fortemente relacionado com a cor branca e o amargo estaria, com menor intensidade do que os demais, associado ao verde e ao preto.

Agora se formos analisar o utensílio utilizado no momento de consumir o produto, esse fator também é predominante no “pré” sabor diagnosticado pelo cérebro. Outras pesquisas afirmam que dizer se um café é ou não saborosa tem relação com a cor da xícara. As brancas fazem parecer que o café é mais amargo do que quando servido
em xícaras na cor azul.

 


Uma infinidade de cores

Você já parou para pensar na infinidade de tons que existe para maquiagem? Esmaltes? Pintura para cabelo? Isso não é por acaso.

A cor cria experiências e transmite associações específicas, fazendo-nos reagir a elas intuitivamente. A relação entre as cores e a nossa percepção das propriedades físicas dos objetos se dá sobre três dimensões básicas:
1. Luminosidade (intensidade da cor, quanto mais luminoso maior a sensação de que estamos próximos ao objeto).
2. Saturação (pureza cromática, maior a impressão do movimento do objeto).
3. Matiz (nuances da cor que conseguimos enxergar, quanto mais vemos cores quentes mais é desencadeado sensações de energia e descontração e para cores frias, a calma e introversão).

Em termos de neurociência, vale ressaltar que o azul aciona o córtex pré-frontal (responsável pelos pensamentos mais racionais), o vermelho a amígdala (aciona os estados de alerta e atenção), o laranja e amarelo o sistema de recompensa (o local do cérebro que os publicitários mais amam).

 

Qual cor utilizar para meu cliente?
Eis que chegou a grande questão, qual cor uso no meu anúncio?! Uma pesquisa realizada pela equipe do professor J. Hallock revelou que pessoas abaixo de 70 anos de ambos os sexos tem, como preferência, a cor azul.

Para as mulheres, a segunda cor seria o lilás/roxo, que já é a segunda cor mais rejeitada pelos homens.

É claro que, esses são estudos neurais que salientam as cores que acionam sensações positivas e negativas. Para o logotipo, muitas vezes é levado em consideração outros quesitos “pessoais” para sua elaboração, o que pode acabar
fugindo um pouco desse escopo de dados. O importante é que a mensagem da sua marca faça sentido ao seu negócio, saber “como” e um “porque” foi seguida aquela linha de raciocínio é importante porque podem perguntar e você precisará saber a resposta.

Andréa Tavares

 

Site fonte da imagem: Designed by Freepik